VEM PRO GOOGLE

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PÚBLICA E PRIVADA

No Brasil, temos muitos regimes previdenciários.
Qual é o regime da previdência complementar privada?
Cada regime tem regras próprias, benefícios diferentes.
Pensão por morte: o beneficiário perde a pensão quando casa?
Depende do regime.

Temos regimes principais e regimes complementares.
Os principais são os de participação compulsória (são obrigatórios); os complementares são de participação facultativa (participo se quiser).

PRINCIPAL
- do setor público
Pertence ao... (clique em "mais informações" para ler mais)
setor público. Todo trabalhador brasileiro, de forma remunerada, tem que ter um  regime previdenciário.
- do setor privado
A maioria dos participantes são pessoas que trabalham  no setor privado.

Setor privado: regime geral da Previdência Social (RGPS) = INSS
É incorreto dizer INPS. É INSS, Instituto Nacional do Seguro Social. "Seguro" Social, não Seguridade. 

Setor público: civil e militar

Setor público civil: União, Estados, Distrito Federal e Municípios têm regimes próprios de previdência social, com regras completamente diferentes. Costuma-se estudá-las em Direito Administrativo.

COMPLEMENTARES
- oficiais - são os complementares para os servidores públicos. Devem ser criados por lei e há previsão constitucional
- privados

EC 41 - acabou com a paridade e a integralidade. 

privados: 
- aberto: toda pessoa física pode participar, de qualquer idade
- fechado: são privados, sim, mas fechados a determinados grupos
Petrus: só para quem trabalha na Petrobrás.

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OS REGIMES OFICIAIS E PRIVADOS:

REGIMES COMPLEMENTARES:

tipologia legal
- oficiais (servidores): criados por lei ordinária (Art. 40, § 15, CF)
- privados: criados por lei complementar (Art. 202, caput, CF)

instituição
- oficiais (servidores): atualmente o sistema possui 337 entidades fechadas de previdência complementar (EFPC), 1091 planos de previdenciários e 2815 patrocinadores/instituidores
privados: instituídos: instituídos pela LC 109/01

entidades
- oficiais (servidores): abertas
privados: fechadas

natureza das entidades
- oficiais (servidores): pública
privados: privada

planos de benefícios
- oficiais (servidores): contribuição definida. Sei quanto vou pagar, mas não sei quanto vou receber
privados: contribuição definida. Contribuição variável; benefício definido; outras opções

Por que criaram os regimes complementares?
Porque um grande executivo, quando aposenta pelo INSS, recebe R$ 3 mil. Assim, tem a opção de contribuir para o regime complementar.


REGIME PREVIDENCIÁRIO COMPLEMENTAR PRIVADO

O Art. 202 nos traz outras informações:
- ele é autônomo: para participar, não precisa participar do regime principal. Significa dizer que não precisa ser filiado ao INSS. Posso fazer um plano de previdência complementar para minha filha de um mês.
- atenção aos parágrafos 2º e 3º do Art. 202:
Art. 202. O regime de previdência privada, de caráter complementar e organizado de forma autônoma em relação ao regime geral de previdência social, será facultativo, baseado na constituição de reservas que garantam o benefício contratado, e regulado por lei complementar. 
§ 1° A lei complementar de que trata este artigo assegurará ao participante de planos de benefícios de entidades de previdência privada o pleno acesso às informações relativas à gestão de seus respectivos planos. 
§ 2° As contribuições do empregador, os benefícios e as condições contratuais previstas nos estatutos, regulamentos e planos de benefícios das entidades de previdência privada não integram o contrato de trabalho dos participantes, assim como, à exceção dos benefícios concedidos, não integram a remuneração dos participantes, nos termos da lei. 
§ 3º É vedado o aporte de recursos a entidade de previdência privada pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, suas autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista e outras entidades públicas, salvo na qualidade de patrocinador, situação na qual, em hipótese alguma, sua contribuição normal poderá exceder a do segurado. 
§ 4º Lei complementar disciplinará a relação entre a União, Estados, Distrito Federal ou Municípios, inclusive suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e empresas controladas direta ou indiretamente, enquanto patrocinadoras de entidades fechadas de previdência privada, e suas respectivas entidades fechadas de previdência privada.
§ 5º A lei complementar de que trata o parágrafo anterior aplicar-se-á, no que couber, às empresas privadas permissionárias ou concessionárias de prestação de serviços públicos, quando patrocinadoras de entidades fechadas de previdência privada. 
§ 6º A lei complementar a que se refere o § 4° deste artigo estabelecerá os requisitos para a designação dos membros das diretorias das entidades fechadas de previdência privada e disciplinará a inserção dos participantes nos colegiados e instâncias de decisão em que seus interesses sejam objeto de discussão e deliberação. 
§ 2º: "não integra o contrato de trabalho nem a remuneração dos participantes": fala do regime de previdência privada. Traduzindo: o trabalhador não recebe benefícios a ele vinculados na rescisão. É hoje um dos diferenciais para oferta de emprego: "Precisa-se de executivo. Benefícios tais e quais e previdência privada" Normalmente, é paga parte pelo empregado e parte pelo empregador.
§ 3º: A Administração direta e indireta não pode dar dinheiro aos planos de previdência privada, salvo na qualidade de patrocinador. É a entidade, pública ou privada (o patrão) que institui o plano. 
Mesmo quando patrocinados, a sua contribuição não pode ser maior do que a do empregado. Pode ser igual, mas não maior.

DIFERENÇAS ENTRE A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA E FECHADA

tipo societário
- entidades fechadas de previdência complementar privada (EFPC): S.A. 
- entidades abertas de previdência complementar privada (EAPC): fundação ou sociedade civil

órgão regulador
- entidades fechadas de previdência complementar privada (EFPC): Conselho Nacional de Seguros Privados 
- entidades abertas de previdência complementar privada (EAPC): Conselho de Gestão de Previdência Complementar

órgão fiscalizador
- entidades fechadas de previdência complementar privada (EFPC): Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) 
- entidades abertas de previdência complementar privada (EAPC): Secretaria de Previdência Complementar

Ministério ao qual estes órgãos estão vinculados
- entidades fechadas de previdência complementar privada (EFPC): Ministério da Fazenda 
- entidades abertas de previdência complementar privada (EAPC): Ministério da Previdência Social

Constituição, funcionamento e reorganização societária (fusão, cisão, incorporação)
- entidades fechadas de previdência complementar privada (EFPC): precisam de autorização do órgão fiscalizador 
- entidades abertas de previdência complementar privada (EAPC): precisam de autorização dos órgãos fiscalizador e regulador

finalidade
- entidades fechadas de previdência complementar privada (EFPC): lucro: são S.A. Devem satisfações aos acionistas 
- entidades abertas de previdência complementar privada (EAPC): superávit. Reaplicam o dinheiro excedente na própria entidade

Nem uma nem outra vai falir. Mas pode ser objeto de liquidação extrajudicial.

SUJEITOS DA RELAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
a) participante
A pessoa física que adere, participa, de um plano de previdência (fechada ou aberta). 
b) assistido
A pessoa que está em gozo de benefício (está recebendo um benefício).
c) patrocinador
A pessoa jurídica, a empresa, que patrocina um plano fechado. Patrocinador só existe nos planos de previdência fechada (EFPC)
d) instituidor
A mesma coisa que patrocinador, mas é termo usado especificamente para associações. Também só existe nas entidades fechadas (EFPC). 

Existem alguns institutos que são obrigatórios nas entidades fechadas (EFPC) - devem estar previstos no plano de minha entidade fechada:
1. Benefício proporcional diferido (também chamado vesting)
Quando saio da empresa, tenho direito a um benefício proporcional. Pode não ser integral. Cessado o vínculo com o patrocinador ou instituidor, o participante pode (se quiser) ter acesso a um benefício proporcional diferido.
2. Portabilidade
A possibilidade de a pessoa transferir os seus recursos de uma entidade para outra.
3. Resgate total
A possibilidade de sacar. O que eu paguei, não o que a empresa pagou. Se saio da empresa, cessa o vínculo.
4. Autopatrocínio
Saio da empresa mas posso continuar pagando. Desde que pague a minha parte e a da empresa. Sou participante e ao mesmo tempo meu patrocinador.

SÚMULAS
STJ 289 - Restituição corrigida
A restituição das parcelas pagas a plano de previdência privada deve ser objeto de correção plena, por índice que recomponha a efetiva desvalorização da moeda.
STJ 290 - O que o patrocinador paga vai para o plano
Nos planos de previdência privada, não cabe ao beneficiário a devolução da contribuição efetuada pelo patrocinador.
STJ 291 - Repete o Art. 75 da LC 109/01: prescrição
A ação de cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria pela previdência privada prescreve em cinco anos.
STJ 321 - CDC. É muito contestada, em especial em relação à previdência fechada. Porque o CDC protege o consumidor.
O Código de Defesa do Consumidor é aplicável à relação jurídica entre a entidade de previdência privada e seus participantes.
STF 730 - Art. 150, CF - imunidade. 
imunidade tributária conferida a instituições de assistência social sem fins lucrativos pelo art. 150, VI, "c", da Constituição, somente alcança as entidades fechadas de previdência social privada se não houver contribuição dos beneficiários.

Seja leal. Respeite os direitos autorais. 
Faça uma visita aos blogs. Terei prazer em recebê-lo. Seja um seguidor. Para acompanhar as publicações, clique na caixa “notifique-me”:
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week!

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Postar um comentário

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO
Praia, sol, mar... rios, aves, plantas, flores, frutos... a natureza em todas as potencialidades. O belo, próximo. A segunda cidade mais antiga do Brasil, a Amazônia Paulista, minha paixão.

Quem sou eu

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

Arquivo do blog

VIVER

“Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe.” (Oscar Wilde)

SONHOS

“Todos os homens sonham, mas não da mesma maneira. Existem aqueles que têm seus sonhos à noite, nos recônditos de suas mentes, e ao despertar, pela manhã, descobrem que tudo aquilo era bobagem. Perigosos são os homens que sonham de dia, porque são capazes de viver seus sonhos de olhos abertos, dispostos a torná-los realidade.” (T. E. Lawrence)