VEM PRO GOOGLE

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

DOS ESCÂNDALOS COM OS CARTÕES CORPORATIVOS

Oportuno rever o regime de governo a que estamos submetidos. Para tanto, cabe diferenciar os modos presidencialista e parlamentarista.

No regime presidencialista, predomina a divisão dos poderes. O Presidente da República chefia o Poder Executivo, sendo, ao mesmo tempo, Chefe de Estado e Chefe de Governo. Cumpre mandato fixo e não depende da confiança do Poder Legislativo para a sua investidura e nem para o exercício do cargo. O Poder Legislativo, com membros eleitos para um período de tempo, por sua vez, não está sujeito à dissolução pelo Poder Executivo.

Quanto ao regime parlamentarista, predomina a colaboração entre o Poder Executivo e o Poder Legislativo. O Poder Executivo é dividido entre um Chefe de Estado (o Presidente da República ou o monarca) e um Chefe de Governo (Primeiro-Ministro ou Conselho de Ministros). O Primeiro-Ministro normalmente é indicado pelo Presidente da República, mas sua permanência no cargo depende da confiança do parlamento.


As entrevistas e artigos de Ives Gandra da Silva Martins são memoráveis. Por sinal, muitos juristas defendem o parlamentarismo, regime dominante nos países desenvolvidos da Europa. A propósito, tomemos os dez maiores IDHs (que consideram a renda per capita, a escolarização e a longevidade) do mundo publicados em 2007:

1º Islândia
2º Noruega
3º Austrália
4º Canadá
5º Irlanda
6º Suécia
7º Suíça
8º Japão
9º Países Baixos
10º França
11º Finlândia
12º Estados Unidos
13º Espanha
14º Dinamarca
15º Áustria
16º Reino Unido
17º Bélgica
18º Luxemburgo
19º Nova Zelândia
20º Itália
21º Hong Kong
22º Alemanha

Sob outra ótica, se nosso referencial é o presidencialismo americano, engana-se quem considera Bush um todo-poderoso, posto que o presidencialismo dos EUA concedeu muito poder ao parlamento, que guarda substancialmente mais poder do que o brasileiro e o das repúblicas abaixo do Equador. A medida foi tomada, justamente, para que não se tornem concretos os desmandos de um presidente-ditador. Lá, o congresso tem poder.

Aliás, ressalte-se que o presidente Lula não tem legitimidade para representar o povo, uma vez que conta apenas com sessenta por cento dos votos da população. O Congresso Nacional, e mais especificamente, a Câmara dos Deputados, por sua vez, representa cem por cento do eleitorado. Os deputados federais são – ou deveriam ser – a representação do povo. O que ocorre é que, devido às falhas de nosso sistema, o nosso é um governo de barganhas.

Nosso modelo aproxima-se, de fato e de direito, das repúblicas sul americanas, em que temos um ditador por curto espaço de tempo, renovável por outro mandato ou outra ditadura. Que favorecerá, apenas, os amigos do rei.

Quanto aos gastos com cartões corporativos, os escândalos, a concorrência do molho de tomate com ervilhas (argh, por que será que não haveriam outros concorrentes?), por que se preocupar?

A saída teria sido o voto pró parlamentarismo, quando do plebiscito de 1993.

A rigor, temos que o povo, desinformado, desestruturado, espera ad infinitum o Pai da Pátria. O que existe é uma sucessão de ditadores, que haverão de perpetrar-se no poder, pelo e para o poder.

Citei o exemplo dos Estados Unidos, das repúblicas americanas e da Europa. Somente nas eternas Repúblicas das Bananas o poder concedido ao presidente é tão grande que ele se torna um ditador por prazo certo. O termo é pejorativo, mas não cabe a mim ufanar-me, se por inação somos ainda motivo de mofa.

Daí ocorre o que vemos no dia-a-dia, no Brasil: as obras de um governo não tem solução de continuidade no seguinte, criam-se ministérios e cargos para os apadrinhados e tudo gira em torno dos amigos do rei.

Aliás, nunca o poder é tão arraigado quanto no presidencialismo, em especial abaixo do Equador. Nem no poder herdado nem no conquistado existe tanta propensão a conservá-lo, de forma tão egoística.

Aqui, o presidente encarna o poder, misturando as figuras de chefe de governo e de chefe de Estado, assim como o que é público e o que é privado: é o todo-poderoso.
A quem cabe mudar a situação?

A cultura, mudamo-la a partir da informação. É um trabalho de formigas. No entanto, existe muito gigante trabalhando esta causa.

Ou nos resta buscar a informação e lutar, ou rezar, apenas, esperando que Deus nos agracie. Melhor, então, parar com tudo e sentarmo-nos bem quietinhos, num canto, a orar, pedindo a comida, a segurança e a paz: que caiam dos céus.
Postar um comentário

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO
Praia, sol, mar... rios, aves, plantas, flores, frutos... a natureza em todas as potencialidades. O belo, próximo. A segunda cidade mais antiga do Brasil, a Amazônia Paulista, minha paixão.

Quem sou eu

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

Arquivo do blog

VIVER

“Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe.” (Oscar Wilde)

SONHOS

“Todos os homens sonham, mas não da mesma maneira. Existem aqueles que têm seus sonhos à noite, nos recônditos de suas mentes, e ao despertar, pela manhã, descobrem que tudo aquilo era bobagem. Perigosos são os homens que sonham de dia, porque são capazes de viver seus sonhos de olhos abertos, dispostos a torná-los realidade.” (T. E. Lawrence)